Cunha derrota Dilma na câmara e processo segue para o senado

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

CUNHA

Não há como contar a história do processo de impeachment de Dilma na Câmara sem narrar a ascensão de Cunha, sem considerar o domínio que ele tem do jogo travado ali e como ele se aproveitou disso para cercar a presidente. Cunha sabe lidar com os deputados que o cercam por pensar exatamente como eles. Na sexta-feira, enquanto conduzia a sessão que dava início à votação do plenário sobre o impeachment, mais uma denúncia era confirmada por jornais. Conforme ÉPOCA antecipara em dezembro, o delator Ricardo Pernambuco Jr., da Carioca Engenharia, disse aos procuradores da Lava Jato que empresas ligadas às obras do Porto Maravilha, no Rio de Janeiro, deveriam pagar R$ 52 milhões de propina a Cunha.

No domingo, na sessão em que a presidente foi derrotada na Câmara, diversos deputados contra o impeachment – e até alguns a favor – acusaram Cunha de não ter legitimidade para conduzir o processo. Ao longo dos três dias das sessões, Cunha ouviu de colegas que é ladrão, que era ele quem deveria sofrer o impeachment, que sua hora se aproxima. Quando não se retirava do plenário, ele ouvia as acusações sem mover um músculo. Eventualmente, quase sempre com a mão esquerda suportando o queixo, dava um sorrisinho de canto de boca. Ele não se abala – nem seus colegas se mobilizam por sua saída. Os parlamentares estão mais atentos a interesses paroquiais e menos ao cenário nacional. A multiplicação de partidos com cadeiras na Casa – hoje são 25 – fragmenta ainda mais esses interesses. A Câmara não está dividida entre PSDB e PT, governo e oposição. Está loteada por mínis PMDBs. Cunha sempre soube disso e, na descrição de Jefferson, joga esse jogo com frieza.

O que leva Cunha a dominar os colegas é também saber pensar como as elites partidárias. Cunha anteviu, já no primeiro mandato de Dilma, que ela poderia cair. A Operação Lava Jato foi tomando forma e ele, alvo das investigações, beneficiário do petrolão, percebeu o potencial de estrago não só para o PMDB, mas para o PT. Sabia que Dilma teria imensa dificuldade de governar. Em março de 2014, formou o “blocão” – grupo de 242 deputados de sete partidos da base e do Solidariedade, da oposição, para impor derrotas ao governo em votações. Cunha perdera a confiança em Dilma e no PT quando promessas de cargos e liberação de emendas foram descumpridas. Deslealdade é algo que não se aceita na Câmara. Dilma e seu conselheiro-mor na época, o ministro Aloizio Mercadante, calcularam que poderiam prescindir do PMDB e dos parlamentares. Erraram. “Sempre erram. Não precisamos fazer nada, só esperar o erro deles”, Cunha diz sobre o PT. Cunha foi eleito presidente da Câmara, em fevereiro de 2015, com o apoio dos deputados que se sentiam traídos pelo Planalto. Derrotou o candidato do governo, o petista Arlindo Chinaglia.

Em julho, acuado por mais uma denúncia da Lava Jato e convencido de que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, se dedica a investigá-lo com mais afinco por ordem de Dilma, Cunha rompeu com o governo. Ainda tentou uma reaproximação com os petistas para se salvar de uma cassação no Conselho de Ética. Os deputados do PT não o apoiaram e, no mesmo dia, Cunha aceitou o pedido de abertura do processo de impeachment da presidente. O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, chama isso de vingança. O Supremo Tribunal Federal impôs uma derrota a Cunha, ao ordenar que refizesse o rito do processo. A presidente Dilma Rousseff radicalizou seu discurso. Pressionados por suas bases populares, os deputados foram se aglomerando em torno de Cunha, a abelha rainha do Congresso.

O vice-presidente da República, Michel Temer, foi tragado por esse movimento. Temer não é um jogador como Cunha. É só muito educado. O PT foi à luta para ficar no poder e se entregou ao fisiologismo. Ofereceu cargo de todo tipo para que os deputados votassem contra o impeachment. Cunha apenas esperou. Foi acumulando capital político junto aos próceres do PMDB, como Temer. Colocou-se em posição confortável para, agora, oferecer aos mesmos deputados os mesmos cargos que o governo ofereceu – mas num eventual governo Temer. É com esse tipo de jogo que Cunha chega ao momento crucial de sua presidência da Câmara. Foi com esse capital político que Cunha conduziu a derrota mais estrondosa do PT desde que o partido ascendeu ao topo do poder. Resta saber quanto tempo ele ainda triunfará na presidência da Câmara sem que as denúncias que pesam contra ele o alcancem.

Facebook Comments Box
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

Sem categoria