Compra e venda de votos em 2016: o fenômeno se repetirá?

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

Por Welliton Resende

Período eleitoral se aproximando, em 2016 teremos eleições para os cargos de prefeito e vereador, e já se ouve falar que a agiotagem está preparada para liberar dinheiro na campanha. O famigerado caixa dois.

Ou melhor, muita gente já está levantando recursos desde já para práticas assistencialistas nos rincões do Maranhão. Se sabe mesmo que o dinheiro é gasto às vésperas da eleição para a compra de votos.

Políticos “experientes” afirmam que se o eleitor recebe o dinheiro antecipadamente acaba “esquecendo” do compromisso na hora de votar. Por isso, normalmente liberam a bufunfa no dia anterior à eleição.

Existe saída para coibir isso?

A compra e venda de votos sempre foi a grande desgraça da democracia (com “d” minúsculo mesmo) brasileira. É na campanha eleitoral que são definidos os destinos de milhares de munícipes.

Uma saída seria a preparação de fiscais populares de gastos de campanha. A Lei da Ficha Limpa prevê mecanismos que coíbem a utilização de caixa dois por abuso de poder econômico.

Desse modo, como já existem mecanismos formais de transparência nas campanhas políticas, a população observaria facilmente onde ocorre o abuso e formularia uma representação com vistas a inelegibilidade do candidato.

A ideia consiste em instrumentalizar o cidadão para que ela possa constatar, registrar e denunciar desvios de conduta dos candidatos.

É desafiador, mas temos que topar essa parada!

Facebook Comments Box
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

Sem categoria