UEMA realiza ciclo de palestras em polos UAB

Objetivando a interação entre cursistas, tutores, coordenadores de cursos e demais segmentos da Educação a Distância, os polos UAB/UEMA São João dos Patos e Colinas realizaram ciclo de palestras, nos dias 06 e 07 de março. As palestras versaram sobre os seguintes temas: A educação a distância e seus desafios (Profa.Sannya Rodrigues); Até onde o conhecimento nos leva (Prof.Djalmy Teodorio); UEMANET: quem somos e como enfrentamos os desafios da EaD (Profa.Katia Fonseca).

 “A iniciativa teve como objetivo proporcionar interação entre todos os envolvidos no processo de ensino aprendizagem da EaD, no sentido de motivá-los a conhecer a riqueza dessa modalidade e suas tecnologias para a construção do conhecimento”, disse a Coordenadora de Gestão de Polos do Núcleo de Tecnologias para Educação da UEMA – UEMANET, Katia Fonseca.

 De acordo com a coordenadora do Polo de São João dos Patos, Linda Maria, “o evento atingiu seu objetivo e a participação de 80% dos alunos. Isso nos deixou muito satisfeitos, pois as palestras aqui proferidas foram de suma importância para todos nós, muitas dúvidas dos alunos foram esclarecidas e houve uma aproximação deles com a Universidade. Encontros como esse é muito importante para a aproximação e integração de todos”.

 Para a coordenadora do Polo de Colinas, Cléia Coutinho, as palestras realizadas foram de importância inegável num cenário de globalização. “Os acadêmicos devem estar conectados às mudanças do mundo e da sociedade, para vivenciarem junto à educação a distância novos conhecimentos, educando-se com as multimídias, propondo soluções novas e eficientes. Afinal, sabemos que a educação de qualidade se faz com envolvimento”, destacou ela.

 Djalmy Teodório, formado em Filosofia na UEMA, por meio do UEMANET (modalidade a distância), aproveitou a oportunidade para falar sobre a educação a distância. “O encontro com os estudantes da EaD da UEMA de Colinas e São João dos Patos,veio apenas reforçar o que para todos, envolvidos nessa fantástica modalidade de ensino, já era verdade: o ensino a distância tem produzido grandes profissionais e redefinido a história do ensino superior. Com um arsenal de tecnologias direcionadas ao núcleo da educação, muitas pessoas das regiões interioranas têm tido a oportunidade de ingressarem no ensino superior. Prova maior, foi o sucesso do nosso encontro”, afirmou ele.

Paula Lima – Jornalista
Assessora de Comunicação do UEMANET/UEMA

uema3 uema uema1 uema2

O poderoso chefão do governo na região do médio sertão maranhense

O vereador Jardel Miranda, foi nomeado na última quarta-feira (18) pelo governador Flávio Dino (PCdoB), Superintendente de Articulação da Regional de São João dos Patos, o que trouxe alguns questionamentos por parte da população sobre as atribuições deste importante cargo e o que ele poderá influenciar politicamente na carreira política de Jardel.
A Superintendência de Articulação ficará ligada a Secretaria de Estado de Assuntos Políticos e Federativos que tem Marcio Jerry como titular da pasta.
O Superintendente Jardel Miranda será o representante do governo do Estado junto aos municípios que compõem a Regional de São João dos Patos e tem por finalidade propor a adequação de políticas públicas, programas e ações às demandas da sociedade e às necessidades do desenvolvimento regional, objetivando, inclusive, otimizar a aplicação do orçamento regionalizado; monitorar e avaliar os programas voltados para o desenvolvimento regional; promover a articulação entre o Governo e a sociedade civil.
Ou seja nenhuma obra do governo será aplicada na região, sem o conhecimento e o acompanhamento de Jardel, que ainda poderá indicá-las, sendo o canal direito da região com o governo, isso poderá fortalecê-lo politicamente não só em São João dos Patos, mas, em toda região, o que já causa um certo ciúmes de outras lideranças políticas e preocupação em possíveis adversários a cadeira do executivo em 2016.
Jardel será os olhos do governador Flávio Dino na região do Médio Sertão Maranhense, suas sugestões, opiniões e indicações poderão trazer enormes benefícios a nossa região, cabe a ele agora o papel de levar os anseios da sociedade diretamente aos ouvidos do governador.

Jardel Miranda é Nomeado Superintendente de articulação Regional

Jardel Miranda novo superintende regionalO vereador Jardel Miranda, foi nomeado Superintendente de articulação regional de São João dos Patos, com a publicação no diário oficial do estado de 18 de março de 2015.

Tal nomeação mostra que o Governador Flávio Dino, após algumas indicações que geraram polêmicas, enfim começa a acertar e reconhecer quem de fato é merecedor.

Jardel com certeza irá contribuir e ajudar com o atual governo, seguindo um caminho mais justo que trará maiores benefícios a nossa região, já que este tem competência e garra de sobra para tal cargo.

Com a nomeação de Jardel, este deverá deixar o cargo de vereador e quem deverá assumir o posto é o(a) atual suplente, da mesma legenda de Jardel em 2012, o futuro vereador Fernandinho.

JARDEL2

Em 2016 Flavio Dino apoiará Paulo do Zeca, Jardel Miranda ou Hélio Pereira?

apoio

Hélio Pereira, Paulo do Zeca e Jardel Miranda

Paulo Paraguassu Mousinho Lima,  o Paulo do Zeca, em entrevista ao Programa a verdade, apresentado por Henrique Miranda, garantiu que se candidato for, terá o apoio de  um Deputado Estadual (Neto Evangelista), um Deputado Federal (Rubens Júnior), de um Senador (Roberto Rocha),  do vice-governador Carlos Brandão e do governador Flávio Dino.

Paulo assegurou que deu apoio a candidatura dos políticos acima citados nas eleições de 2014, em troca de um eventual apoio na disputa para prefeito em 2016, disse ainda está preparado para ocupar o cargo de prefeito e que pretende sim disputar as eleições.

Indagado sobre a questão de futuras alianças, Paulo não descartou uma união com o ex prefeito Celso Sobrinho, Jardel Miranda e Hélio Pereira.

A respeito do atual prefeito Waldênio, Paulo disse está torcendo para que ele faça um bom governo, pois o mesmo indo bem, quem ganha é o povo, mas, em seguida ressalvou  que o atual governo ainda não caiu nas graças da população e que este ainda teria cerca de dois anos para melhorar.

As informações prestadas por Paulo no programa de Henrique Miranda, deixaram algumas dúvidas e questionamentos, que tentarei aqui levar a vocês, para que possamos debater de forma imparcial e direta.

1º Sabemos que os principais alicerces da campanha de Flavio Dino no município foi Hélio Pereira, Marcilene Fonseca, Tarso Santos, Jardel Miranda, Edison do Sindicato, Ednaldo Quirino, Flávio Barbosa e Paulo do Zeca, lógico que houve outros nomes, mas, estes foram os principais cabos eleitorais do então candidato e hoje governador do Maranhão.

2º Sabemos ainda que o Paulo do Zeca, enfatizou sua campanha em Neto Evangelista, seu sobrinho e em Rubens Júnior, ambos futuros aliados em uma eventual campanha, ao contrário de Hélio Pereira e Jardel Miranda, que focaram mais a eleição de Flávio Dino.

3º Sabemos também que o ex vereador Hélio Pereira é o presidente do PCdoB, partido do gestor estadual e que este atualmente estaria mais próximo ao vereador Jardel Miranda, por tanto, sendo mais provável uma aliança entre ambos, caso um resolva disputar a cadeira do executivo.

4º É notório que após a campanha de 2014, Jardel Miranda hoje também está próximo do governo estadual,  conta ainda com o apoio do Secretário de Estado de Indústria e Comércio do Maranhão, Simplício Araújo e uma possível aliança com o PCdoB municipal, com quem tem um bom relacionamento.

5º O próprio Paulo afirmou que hoje estaria em contato com o governo através de Neto Evangelista e Rubens Júnior, ou seja, diretamente em São Luis, dando a entender que não tem acesso ao PCdoB local, mas, sabemos que numa futura convenção, formação de legenda, quem formará a coligação é a diretoria municipal do partido.

Ai vem a pergunta: Numa eventual disputa entre Paulo do Zeca, Hélio Pereira e Jardel Miranda, quem o atual governador apoiaria?
Flávio dino deixaria de acompanhar o seu partido PCdoB, para apoiar um candidato de outro partido? Iria ele desprezar uma aliança firmada pelo diretório municipal do PCdoB e ir contra a escolha de seus filiados, numa eventual disputa eleitoral?

Somos cientes que (PP / SD / PROS / PSDB / PC do B / PSB / PDT / PTC / PPS) foram aliados na esfera estadual e formaram a coligação Todos pelo Maranhão, e que Flávio Dino quer que se priorize essa aliança também na esfera municipal, mas, na esfera municipal, uma aliança total entre esses partidos seria possível? difícil.

Porém, sabemos que o Governador Flávio Dino, não tem dado prioridades a seu partido, principalmente na nossa região e que  em apenas 01(um) mês após sua posse, já se aliou a Rogério Cafeteira, mostrando que não há queixas partidárias, e que isso pode ocorrer também em outras esferas, com uma união PCdoB e PMDB, talvez ele fique neutro e não apoie nenhum candidato em nosso município, ou ainda, apoie dois ou mais, afinal, em 2018 haverão eleições para governador novamente e se indispor com um cabo eleitoral seria ruim, mas, se indispor com a militância de seu partido, aqueles que vestem a camisa, carregam as bandeiras, é pior ainda.

O fato concreto é que hoje as solicitações do Paulo vêm sendo atendidas de forma mais rápida, talvez pela aproximação com o vice-governador Carlos Brandão, Neto Evangelista e Rubens Júnior, o que pode demonstrar uma certa aceitação pela sua candidatura destes líderes políticos, mas, não havemos de esquecer que ao se tratar de partido, hoje, Hélio Pereira e Jardel Miranda teriam a vantagem por contar com o apoio do PcdoB local e talvez esse seja um diferencial importante no futuro, afinal, ter o partido do governador como aliado, não é algo para ser desprezado.

“Pega ladrão”, acabou a farra da família Sarney!

Antes de deixar o cargo, a então governadora Roseana Sarney, conforme denunciou a oposição à época, tentou transformar recursos adquiridos com empréstimos junto ao BNDES em moeda eleitoral, por meio de um ‘Fundo Estadual de Desenvolvimento dos Municípios do Maranhão’ (Fundema). Queria, com isso, segundo os oposicionistas de então, usar dois bilhões de reais para comprar apoio à candidatura de Lobão Filho.

Agora, deputados remanescentes do grupo Sarney, como Andrea Murad, Adriano Sarney, Sousa Neto e Edilazio Júnior, querem a nulidade do contrato com o Banco de Desenvolvimento Econômico e Social para que o dinheiro que não pôde ser usado nas eleições, não seja aplicado em obras públicas. Nem mesmo nas obras inacabadas do governo que findou.

E fica a base governista sem entender porque o Partido Verde está se desligando do Bloco Parlamentar Democrático, liderado pelo deputado Alexandre Almeida. Ora, está se retirando porque nunca esteve lá, e só participou visando garantir cargos na Mesa Diretora da Assembleia Legislativa. As mudanças políticas que se operam no Maranhão, principalmente no que tange à transparência e honestidade nos negócios públicos, são prejudiciais à saúde do partido de José Sarney Filho.

E o deputado Adriano Sarney cismou que falta um funcionário do Estado na Comissão de Licitação do governo Flávio Dino. Por isso, os ‘quatro mosqueteiros’ de Sarney pretendem aporrinhar a Justiça propondo a anulação de todos os atos da Comissão Central de Licitação. Em outras palavras, eles querem o fim do Programa Mais IDH, querem impedir o asfaltamento da MA 034, querem obstar a parceria entre o governo do Estado e a Prefeitura de São Luís, querem a volta das terceirizações questionadas na Secretaria de Justiça e no Detran; enfim, querem perseguir o povo do Maranhão. E querem, naturalmente, que Sarney volte a ter o direito de se apropriar de prédios como o Convento das Mercês e pagar com o dinheiro do povo um culto à sua personalidade política enviesada.

Para um grupo que se acostumou a almoçar e a jantar licitações fraudulentas e a ganhar eleições com esquemas do tipo Fundema, a honestidade de propósitos do governo Flávio Dino incomoda. Só de imaginar que nunca mais vão poder superfaturar obras, que se acabaram as comissões, as propinas e o tráfico de influência remunerado, já começam a passar mal. É a mesma gente que privatizou a Cemar e agora briga na Justiça para que o atual governo deposite R$ 200 milhões nas contas de testas de ferro de Fernando Sarney.

Ainda não perceberam que a farra acabou, a dona do bar fugiu e a polícia está batendo à porta. (Editorial do Jornal Pequeno)

Governo autoriza obras na MA-034

http://3.bp.blogspot.com/-mDMG0uwTYxk/VQcVEcqJZXI/AAAAAAAAUfk/Tp0H6H4vduU/s1600/PicsArt_1426527080732.jpg

A tão surrada MA 034, que liga São João dos Patos a Caxias, via Passagem Franca, Buriti Bravo e o Povoado Baú, está em péssimo estado de conservação há mais de 50 anos, neste período a ex governadora ocupou a cadeira executiva, por quase 14 anos e sempre que vinha uma campanha eleitoral, vinha a promessa de pavimentação da Rodovia MA 034, a cidade de Buriti Bravo conhece bem esta promessa, pois lá, o trecho que liga a citada cidade ao Povoado Baú, no papel já foi concluída há muito tempo, mas a realidade é outra.

No papel essa estrada já foi inaugurada (João Castelo em 1978-1982); foi prometida (José Sarney 1965, Luis Rocha 1982, Cafeteira 1986, Lobão 1990, Roseana 1994, 1998, 2010, Jackson Lago 2006)); foi prometida, iniciada e abandonada (José Reinaldo em 2002), como podemos observar, os políticos, costumam usar a velha rodovia como gancho eleitoral, mas, nada sai do papel.

Mas Flávio Dino parece que vai fazer mesmo diferente, na manhã desta segunda-feira (16), o governador ao lado do secretário de infraestrutura, Clayton Noleto, assinaram ordem de serviço para obras da MA-034, no trecho de Brejo de São Felix a Buriti Bravo, estrada que interliga os municípios de Caxias, Matões, Parnarama e Buriti Bravo, este também na solenidade o jovem Deputado Federal Rubens Júnior.

A melhoria da MA-034 era uma demanda antiga dos prefeitos da região e do deputado federal Rubens Jr. que a muito tempo cobrava as devidas obras ainda no exercício do mandato estadual, tornando mais rápido as viagens e o escoamento de produção de Matões, Parnarama e Buriti Bravo a Caxias.

Estiveram presentes na solenidade os prefeitos Léo Coutinho de Caxias, Suely Pereira de Matões, David Costa de Parnarama e Cid Costa de Buriti Bravo. O vereador Ricardo de Parnarama e a líder politica de Buriti Bravo Luciana Leocádio prestigiaram o ato de assinatura da ordem de serviço.

Para o governador Flávio Dino é de fundamental importância que obras desse cunho sejam realizadas como forma de promover o desenvolvimento dos municípios, independente das alianças políticas entre os prefeitos e o governo.

Quem ganha com o impeachment de Dilma?

impeachment Dilma Rousseff Renan Calheiros pmdb
A quem interessa o impeachment de Dilma? (Imagem: Pragmatismo Político)

Desde que ocorreu a última eleição presidencial, na qual Dilma Rousseff foi reeleita como presidente ou presidenta do Brasil, iniciaram os movimentos para a sua derrubada. Houve várias tentativas e formas, primeiro para que nem fosse diplomada, depois que não tomasse posse e que fosse cassado o registro da Dilma e de seu vice Michel Temer e, em seu lugar, o candidato que ficara em segundo lugar, ou seja, Aécio Neves ocupasse a presidência. Como nada disso deu certo, iniciou-se uma movimentação nacional para tentar o impeachment de Dilma Rousseff, tendo como fundamento a grave crise política gerada a partir da Operação Lava-Jato que investiga o bilionário desvio de recursos da Petrobrás, apelidado de Petrolão.

Não quero aqui ser advogado da Dilma, nem do PT, nem de ninguém. Quero unicamente fazer uma reflexão sobre o que está por trás de todo esse movimento de impeachment.

Para começar, Impeachment é um ato político e não tem nada a ver com o Judiciário como alguns estão imaginando. No dicionário encontraremos a seguinte explicação: “Impeachment é uma expressão inglesa usada para designar a cassação de um chefe do Poder Executivo. Significa também impedimento, impugnação de mandato, retirar do cargo uma autoridade pública do poder Executivo“. Portanto, que fique claro, que isto é um procedimento do Poder Legislativo. Em outras palavras, um ato político.

Pergunto: quem atualmente, em sua grande maioria compõe o novo Congresso Nacional? Vários deles são suspeitos e sendo acusados na Operação Lava Jato. Para dar um exemplo, segundo já publicado e veiculado na mídia impressa e televisiva, dez dos 15 deputados indicados até o momento para a nova CPI da Petrobrás receberam doações nas últimas eleições, algo em torno de R$ 1 milhão e novecentos mil reais, das empreiteiras citadas na operação Lava Jato e prováveis alvos da CPI criada.

Não. Esse país não é sério. São estes que estão propondo o impeachment de Dilma. A primeira coisa a ser deixada bem clara é que, caso isso de fato ocorresse, é que no caso de seu impedimento quem assume a presidência é o vice Michel Temer. Ora, o que significa isto, sob o ponto de vista político? Michel Temer é do PMDB, que está tão envolvido com toda esta roubalheira da Petrobrás e de tantas outras empresas quanto o PT. Também não tenho medo de afirmar que todos os partidos, uns mais e outros em menor escala estão envolvidos com irregularidades. Partido político no Brasil virou um grande negócio.

Outra coisa que tem que ser lembrado neste momento é que os governos estão a serviço das grandes empreiteiras e empresas, muitas delas multi e transnacionais. Estas, por sua vez, são altamente especializadas e envolvem e financiam políticos, governos e governantes, pois controlam todo um sistema econômico. Não é por acaso, que tantos empresários estão presos ou respondendo por crime nesta ação. Não tem inocente nesta história.

Portanto pergunto novamente: a quem interessa o impeachment? Para muitos, o impeachment acalmaria uma parte da sociedade e os enganaria, tentando mostrar que todo o problema estaria resolvido. Ledo engano.

Eu sou uma testemunha viva, como muitos que lerão este artigo, do impeachment do presidente Fernando Collor de Melo. Também fui um “cara pintada” em Belém do Pará, levando alunos do Ensino Fundamental para as ruas, com as caras pintadas, tarjas pretas e gritos de ordem. Confesso que me envolvi neste movimento nacional, por motivações ideológicas, acreditando piamente que estava ajudando a moralizar o país. Mas afinal, valeu a pena isto tudo?

O processo de impeachment de Collor foi aprovado no Congresso Nacional por 441 votos a favor e 38 contra, no dia 29 de setembro de 1992, quando foi afastado do governo. Ele renunciou no dia 29 de dezembro daquele ano o que não impediu a finalização do processo. Na época, ele foi acusado por mais de 100 crimes, entretanto no dia 12 de dezembro de 1994, o Supremo Tribunal Federal inocentou Collor do crime de corrupção passiva do qual era acusado. Dos demais crimes, foi absolvido da mesma forma, tendo como advogado o ex-deputado e condenado no mensalão o advogado criminalista Roberto Jefferson. Mais tarde, Collor retornou à vida pública, deu a volta por cima e atualmente é Senador da República.

Quem estava com Collor na época, também era o atual presidente do Senado Federal Renan Calheiros, poderoso e também acusado de corrupção. Caso viesse a ocorrer o impeachment de Dilma, Renan seria o maior beneficiado com todo o processo. Portanto, pergunto novamente: Vale a pena? A quem interessa?

Nossa luta não pode ser por um processo de impeachment, mas sim contra a corrupção. Esta sim deve ser combatida, e ressalte-se, está em todos os partidos e no DNA de grande parte dos políticos que se dizem representantes do povo. Estes, não representam o povo, mas unicamente as grandes empresas, os oligopólios, as transnacionais que os bancam para que ajam em favor de seus interesses econômicos.

Espero sinceramente, que todos os envolvidos com a corrupção, empresários, políticos ou mesmo representantes de outros poderes, seja na Petrobrás ou qualquer outra empresa, sejam punidos.

Impeachment neste momento ofuscará e enganará a sociedade e esconderá o verdadeiro problema.

 Fonte: http://www.pragmatismopolitico.com.br

Novo chefe da 15ª Ciretran foi indicado por Rogério Cafeteira

Foto: blognetoferreira.com.br

Foto: blognetoferreira.com.br

Para a felicidade do atual prefeito Waldênio de Sousa (PMDB) e seus aliados, o novo chefe da 15ª Ciretran de São João dos Patos, Bruno Guimarães de Sousa é seu partidário e cabo eleitoral do candidato derrotado Edinho Lobão.

A nomeação foi até anunciada pela CENCOM da prefeitura em sua página no facebook, em tom de comemoração.

A indicação partiu do Deputado Estadual Rogério Cafeteira, atual líder do governo na câmara e aliado do gestor patoense, com a prerrogativa de que a prefeitura estaria arcando com todas as despesas deste órgão, que é uma repartição estadual, pois faz parte do DETRAN.

Mas nem todos comemoraram a indicação de Bruno para o cargo, os aliados de Flavio Dino, partidários do governo e uma parte da regional,  receberam a notícia de forma negativa e logo passaram expor suas indignações nas redes sociais, tudo por que o novo chefe do Ciretran nas últimas eleições fez campanha contra Flávio Dino, sendo assim, para muitos, não deveria ter sido indicado, enquanto muitos partidários, que ergueram bandeira, pediram voto, articularam campanha, sequer foram lembrados pelo governo comunista.

Sem contar que  o atual governador Flavio Dino, em várias oportunidades ressaltou a necessidade de moralizar o departamento de transito de nosso estado, habituado com o uso desse departamento para fins políticos, onde se apreende os veículos irregulares e os políticos mandam liberar, como um favor que será cobrado em épocas de eleição.

Ocorre que um departamento como o Ciretran, nas mãos de um prefeito que está em campanha, poderá servir de elevador eleitoral, para ele e seus aliados, por isso as  comemorações da nomeação acima citada, ter alguém fiel nessa cadeira é muito vantajoso para qualquer político, agora eu pergunto, é vantajoso para o governo do estado? ai depende, não sabemos quais as pretensões do atual governador para 2016, crescer seu partido e aumentar o número de aliados nas cadeiras do executivo e legislativos municipais, com certeza não é, pelo menos não dessa forma.

E afinal quem comanda a Ciretran local, um departamento estadual, com cara de secretaria municipal, onde o prédio pertence ao prefeito, os servidores são contratados pela prefeitura, o chefe também é o prefeito quem escolhe, deveriam mudar o nome para secretária municipal de transito.

As polêmicas nomeações do governo Flávio Dino

Em 1º de fevereiro de 2015, Flávio Dino, governador do Maranhão anunciou como líder do seu governo na Assembleia Legislativa do Estado, o Deputado Rogério Cafeteira (PSC),  um anúncio que surpreendeu a classe política maranhense, uma vez, que Rogério Cafeteira é aliado histórico do grupo de Roseana Sarney.

Flávio Dino que pregava o fim do clã Sarney, indicou como líder do seu governo um “Sarneyzista” de marca maior, aliado da oligarquia que depredou o Maranhão por quase 50 anos.

Eleito sob o discurso da mudança e do fim dos privilégios, Dino contemplou um dos símbolos da velha política, alavancada no sobrenome e enormes gastos com campanhas políticas, que paga pelo apoio de prefeitos e lideres políticos, sem dúvida uma decepção para quem acredita que o Maranhão seguiria por outro caminho.

Não obstante a esse fato, outras nomeações desse governo vem causando polêmica e até descontentamento de eleitores, aliados e admiradores do atual governador, como o cargo de Chefe de gabinete do governado dado a Joslene Rodrigues, com quem Marcio Jerry, secretário  estadual de Articulação Política, mantém relacionamento afetivo, juntamente com a “cunhada” Joslea Rodrigues, secretária adjunta de esportes.

Além da namorada e da cunhada, Márcio Jerry presenteou ainda ao seu irmão, Samuel Barroso, com a pró-reitoria do IEMA (Instituto Estadual de Educação, Ciência, Tecnologia do Maranhão), órgão criado no início de janeiro pelo novo governo, e o seu filho, Caetano Barroso, é quem dá as cartas na Secretaria de Estado da Juventude.

Outra nomeação polêmica foi a de Maria da Paz Viana Soares Reina, para comandar a Unidade Regional de Educação de Açailândia, que responde na Justiça Federal em razão de oferecimento de curso superior à distância sem a autorização do Ministério da Educação (MEC) pela Faculdade Reunida (FAR) e pela emissão de diplomas falsificados pela Faculdade Aberta de Filosofia, Teologia, Educação Física e Pedagogia Religiosa (FAENTEPRE).

A nomeação de Walter França Silva Júnior, dono da Construtora Ramos França Ltda, registrada no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) com endereço onde, na verdade, existem apenas residências, uma empresa fantasma envolvida em um esquema fraudulento com a prefeitura de Santa Rita.

Tais nomeações foram notícias no Jornal Folha de São Paulo, que chamou o ato de  “A grande família”, veja:

Leia a reportagem completa em: http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/01/1582622-dino-nomeia-parentes-de-aliados-no-maranhao.shtml

Onde o governador Flavio Dino coloca seu ponto de vista sobra as acusações de um suposto nepotismo disfarçado

Brasil o país da corrupção e eleitores corruptíveis

É lamentável o que vem ocorrendo com o nosso país em termos de corrupção, atualmente a mídia tem revelado os escândalos da corrupção, que envolvem políticos importantes no cenário nacional, deputados estaduais, federais, senadores, governadores e até a presidente Dilma.
Esse roubo de dinheiro público fragiliza a nação, diminui as possibilidades de realizar obras de infraestrutura tão necessárias ao nosso desenvolvimento e obriga a nação muitas vezes a se endividar para concluí-la, no caso específico da PETROBRAS quem tá pagando a conta do rombo é o povo brasileiro, que além de ter sido roubado, ainda arca com o prejuízo.
Sei que a corrupção não é um privilégio da nação brasileira, ela está em todos os recantos e ainda sobrevive nos países desenvolvidos embora em menor intensidade. Mas o único povo que aceita isso de forma pacífica é o povo brasileiro e ainda reelege o político corrupto, como se o premiasse pelo ato ilícito, Renan Calheiros (atual presidente do senado) é um exemplo disso, o mesmo em 2007  teve que renunciar após denúncias que suas contas particulares eram pagas com dinheiro de propinas por lobistas, para escapar da cassação.
Se queremos efetivamente extinguir a corrupção da política nacional, devemos antes de tudo extinguir a corrupção dos eleitores, pois só existe o político corrupto, por que existe o eleitor corruptível, que vende ou troca seu voto por qualquer bem material, favores e facilidades, conforme denunciado ontem no Fantástico, da Rede Globo.
Essa prática de compra de voto é tão corriqueira em nosso meio, que é comum vermos em época de campanha política, um aumento significativo nas vendas de materiais de construção e mais comum ainda observarmos, as várias reformas e obras em residências de nossa cidade,  levantamento de muros, troca de telhados, rebocos, etc.
Mal sabe esse eleitor, que ele está trocando uma melhor educação para seu filho, um melhor atendimento médico e hospitalar para si e sua família, uma melhor pavimentação para sua rua e de sua comunidade, um meio de transporte público mais digno, uma segurança melhor equipada, por alguns baldes de areia, algumas alvenarias ou tijolos, alguns sacos de cimento, bens que findarão, restando apenas o imediatismo e a enganação a que foi submetido, sem a moral de poder cobrar do político corrupto, que lhe usurpou não apenas valores materiais, mas, a dignidade e a oportunidade de poder oferecer um futuro melhor para seus filhos, netos e a si próprio.
Só para recordar, os políticos maranhenses denunciados no escândalo de corrupção da Petrobras:
  • Roseana Sarney (PMDB), ex governadora.
  • Edison Lobão (PMDB), senador e ex ministro de Minas e Energia.
  • Waldir Maranhão (PP), Deputado federal.
Lembrem destes nomes em 2018, quando estiverem de frente com a urna.

Facebook

Get the Facebook Likebox Slider Pro for WordPress