Professores de São João dos Patos paralisam suas atividades e realizam atos públicos

Na manhã desta segunda-feira, 27/04, os professores da rede municipal de ensino de São João dos Patos, iniciaram a paralisação de advertência de suas atividades, em prol de uma negociação de reajuste salarial e aprovação do plano de cargos e salários.  Os servidores que reivindicam a implantação do piso nacional de 13,01%,  caminharam pelas ruas da cidade, de forma pacífica e ordeira em protesto e esclarecendo os motivos da paralisação aos pais de alunos, alunos e toda sociedade.

Os professores e servidores da educação reuniram-se as 07h:00min na sede do SINPROED, para deliberarem a respeito dos motivos da paralisação, munidos com apitos, cartazes e faixas, seguindo numa caminhada pelas ruas da cidade.

As 14h:00min haverá um ato público, onde os professores mais uma vez caminharão pelas ruas da cidade rumo a câmara de vereadores, onde a presidente do sindicato, usará a tribuna para expor os motivos desta manifestação.

A paralisação segue até a próxima quinta-feira, 30/04, com o compromisso dos professores de repor as aulas posteriormente, para que não haja prejuízos aos alunos.

ENTENDA

Há aproximadamente 1 (um) ano, os servidores da educação através de seu sindicato, enviaram um Plano de Cargos e Salários, para apreciação do gestor municipal, onde se regulamenta os direitos e diretrizes do educador, o plano deveria ser avaliado pelo gestor, seus assessores e secretários, tendo este o direito de debater com a classe modificações e oferecer sugestões  e alterações, de forma democrática.

Passado 1(um) ano, o gestor não se manifestou e nem ofereceu contra proposta ao plano, o que causou um mal estar junto aos educadores, que buscaram dialogar de todas as formas possíveis e impossíveis, buscando o apoio junto a vereadores e outros meios, nada foi resolvido.

Os Servidores da educação através de assembleia no dia 16/04 decidiram através de votação, pela paralisação de advertência, como única forma de atrair a atenção do gestor municipal para um diálogo sobre o plano de cargos e salários, sendo escolhida a data dia 27/04, para o ato.

Ocorre que Secretaria de Educação, convocou os servidores para uma “reunião” ou palestra na sede da câmara, com Paulo Buzar, no dia 18/04 onde o assunto em pauta seria, Lei de responsabilidade fiscal e o plano de cargos e salários, nesta ocasião, foram mostradas as contas referentes a secretaria de saúde e educação, vindo em seguida a proposta de reajuste salarial de 2,5%, abaixo da perdas inflacionárias, do reajuste do salário mínimo e muito abaixo do piso nacional.

Essa proposta desencadeou um descontentamento geral entre os professores, que mais uma vez se reuniram e decidiram manter a paralisação para o hoje dia 27/04, só que agora com mais uma reivindicação, um reajuste salarial mais digno e uma melhor valorização financeira da classe.

Percebendo que a paralisação seria inevitável, o Sr. prefeito Waldênio de Sousa, solicitou junto ao SINPROED uma reunião com os representantes da categoria, onde o intuito seria negociar, oferecer propostas, dialogar, para que se chegasse a um senso comum e se evitasse a paralisação. Assim marcou-se um encontro para o dia 25/04, na sede do SINPROED, tendo comparecido o prefeito, a secretária de educação, o presidente da câmara de vereadores, professores representantes de todas as escolas do município, diretoria do SINPROED e outros convidados como o Padre Luzimar.

A reunião transcorreu de forma tranquila, com ambas as partes expondo seus pontos de vista, com o poder executivo demonstrando os gastos e despesas, que segundo o mesmo, inviabilizaria o pagamento dos 13,01%, tendo o mesmo chegado a propor, que levaria para discussão e posteriormente aprovação da câmara o plano de cargos e salários, na data de 25/05/2015 e que com muito sacrifício só poderia oferecer um reajuste de 8% de aumento para os professores.

A presidente do SINPROED, Marcilene Fonseca se encarregou de levar a proposta para apreciação dos professores e dá uma resposta ao gestor na mesma data.

Realizada a assembleia junto aos professores no mesmo dia, após uma convocação emergencial, no auditório da Unidade Integrada 31 de Março, a maioria decidiu por manter a paralisação de advertência e lutar pelo reajuste de 13,01%.

manifestação manifestaçã2 AGORA 2AGORAmanifestação4

Marcilene Fonseca é nomeada Diretora Regional de Educação

A Professora e sindicalista Marcilenmarcilene3e Fonseca da Silva foi nomeada Diretora Regional de Educação da Regional de São João dos Patos, a nomeação foi divulgada no diário oficial do Maranhão na última segunda-feira dia 17 de abril de 2015.
Marcilene tem uma longa história política e de militância no município de São João dos Patos, presidente do SINPROED, secretária executiva do PCdoB local,  pedagoga, especialista em gestão pública, com vasta experiência na área educacional, esta é mais uma escolha do governador Flávio Dino, que aposta numa nova diretriz para a educação em nossa região.
A nomeação de Marcilene Fonseca foi ansiosamente aguardada  e mostra que o governador Flávio Dino, aos poucos vai moldando sua forma de governar, com suas características e uma nova configuração, que visa valorizar o educador e em consequência uma melhor gestão das Unidades Regionais de Educação.
Marcilene fará companhia a Luciana Leocádio, atual gestora regional de educação, também  indicada  por Flavio Dino, com certeza nossa regional encontra-se em boas mãos, boa sorte as duas e que realizem bom trabalho.
marcilene 2

Professores do município decidem paralisação de advertência

MarcileneFonseca presidente do SINPROED - Foto: Jakoson Duarte

Assembléia de professores – Foto: Jakson Duarte

Os professores da rede municipal de ensino de São João dos Patos-MA decidiram, em assembleia geral realizada na tarde desta quinta-feira(16), no auditório da Unidade Integrada 31 de março, fazer uma paralisação de advertência no  dia 27 de abril.

A ação fez parte de um cronograma, organizado pelo Sindicato dos Profissionais da Educação (SINPROED).

Para a categoria, a paralisação de advertência é a única maneira que resta para sensibilizar o prefeito do município a apresentar a contraproposta de negociação do Plano de Cargos e Salários, que há vários meses se encontra na mesa do gestor municipal, sem nenhuma manifestação do mesmo.

O sindicato apresentou a proposta dos trabalhadores, ainda, no ano passado, mas o gestor municipal não apresentou a contraproposta nem reuniu-se com a categoria para negociar os pontos solicitados pelos profissionais da educação.

 

Hélio Pereira assume a gerência regional da CAEMA

Mais um grande reforço veio compor o governo de Flávio Dino em nossa região, o ex vereador e presidente do PCdoB municipal, Hélio José Pereira indicado pessoalmente pelo governador,  assumiu no dia 15/04 a gerência regional da CAEMA.

Representando o Governador Flávio Dino e o Diretor Presidente da CAEMA Davi Telles, veio o Diretor de Operação e Manutenção da CAEMA, Nelson Cavalcanti que deu posse a Hélio Pereira numa cerimônia simples, realizada em uma das salas de reuniões da empresa, localizada em nosso município, com a participação dos servidores, autoridades locais, familiares e amigos do novo gerente.

Hélio Pereira, professor, ex presidente da Câmara Municipal de vereadores e presidente municipal do PCdoB, tem um vasto histórico político de luta e militância em favor da transparência, justiça e honestidade. Com um currículo invejável, quando atuou como vereador deixou marcas importantes, como a construção da câmara de vereadores.

Em entrevista, ele parabenizou o trabalho do ex gerente José Nilson, agradeceu a Deus e ao governador Flávio Dino pela oportunidade, disse estar ciente dos desafios que enfrentará, mas que vai trabalhar na gestão com austeridade, com muita justiça, transparência e honestidade,  sempre primando pelo bom atendimento e boa prestação de serviço a população, em parceria com o Governo, colegas de trabalho e a regional formada por 19 municípios.

O agora gerente regional Hélio Pereira foi uma indicação pessoal do Governador Flávio Dino, que nutre pelo mesmo um grande respeito e uma enorme admiração, condizentes de uma longa parceria política e de uma grande amizade adquirida durante os anos de militância em campanhas eleitorais e no convívio pessoal.

Estiveram presentes na cerimônia, autoridades convidadas, como: O prefeito de Barão de Grajaú, Gleydson Resende, Superintendente Regional Jardel Miranda, o chefe da AGERP Edinaldo Quirino, a Gestora da URE Luciana Leocádio, o prefeito de São João dos Patos,  Waldênio Sousa, entre outros.

20150415_083600

Foto: Jakson Duarte

20150415_083641

Foto Jakson Duarte

20150415_083817

Foto: Jakson Duarte

20150415_084356

Foto: Jakson Duarte

Aumenta assustadoramente, crimes praticados por menores em São João dos Patos

.

Menores presos semana passada em São João dos Patos.                  Imagem: oquartopoder.com.br

O número de ocorrências graves como roubo, furtos e homicídios envolvendo menores de idade, cresceu bastante nos últimos anos em São João dos Patos.

Na semana passada, a polícia prendeu aqui em nosso município uma quadrilha que praticava arrombamentos de comércios. Um dado chamou a atenção das autoridades: dos quatro integrantes detidos, três eram menores de idade, com 14 e 15 anos de idade, sendo que todos, já haviam sido detidos, há bem pouco tempo atrás, pelo mesmo crime.

E como é sabido, muito em breve todos estarão de volta às ruas.

Só neste ano, tivemos homicídio, tentativa de homicídio, vários roubos, furtos e arrombamentos registrados, envolvendo menores de idade, não tenho os números oficiais, mas, fica latente que a tendência é que esses crimes tendem a aumentar, já que há a sensação de impunidade, gerada por nosso código penal, que beneficia menores infratores.

É sabido e notório, o espantoso crescimento do uso de drogas, em nosso município, principalmente por usuários menores de idade, acompanhada da prostituição, praticada em avenidas, ruas, praças, bares, a olhos nus, para quem quiser ver, isso também contribui para a marginalização destes menores, que não vêm qualquer perspectiva de vida e acabam ingressando no crime, muitas vezes para alimentar o vício, ou adquirir bens materiais (celulares, tablets, roupas, tênis, etc.) que não condizem com sua realidade financeira, ao invés de buscar o trabalho e a educação, buscam o caminho “mais fácil”.

Quando algum brasileiro com 18 anos ou mais comete um homicídio pode pegar até trinta anos de detenção. Se, assalta a mão armada, sua pena pode chegar a dez anos. Quem vende drogas está sujeito a penas de até quinze anos. Para os menores de idade as regras são outras. Até atingir 12 anos a criança é considerada inimputável. Ou seja, se for flagrada cometendo um crime, tudo que a polícia pode fazer é procurar sua família e devolvê-la aos pais. Entre 12 e 18 anos, os menores vão a julgamento em cortes especiais e permanecem detidos por um tempo máximo de três anos. Depois, retornam às ruas. É um sistema de punição que funciona como um escudo confortável para a prática dos delitos. Para as quadrilhas de sequestros, roubos e tráfico de drogas, a arregimentação de menores é também a garantia de que seus integrantes estarão de volta à ação num prazo mais curto que o habitual.

A falta de políticas sociais e aplicação de leis mais rígidas é o ponto que impede a diminuição de delitos cometidos pelos jovens. Os adolescentes de hoje não são mais como o de antigamente. Hoje eles possuem uma mentalidade muito mais avançada, no sentido de dispor de informação, de ter noção de suas responsabilidades. Então, eles têm plena convicção dos seus atos e do que qualquer atitude errada pode gerar para eles e para as pessoas que são próximas.

Infelizmente, a classe política, que é a que pode reverter essa situação, parece viver em estado de demência permanente. Eles ainda não perceberam a tamanha gravidade da situação. Em contrapartida, já que as autoridades não se movem, a população vira alvo da criminalidade cometida por esses adolescentes, pagando às vezes até com a própria vida. E quem deveria proteger esse cidadão, criando leis mais eficazes, e porque não dizer mais severas, não fazem nada”.

O mais incrível, é que em nosso país, enquanto este menor não responde criminalmente por suas ações, podem perfeitamente escolher o presidente, governador, prefeito, deputados e senadores, só no Brasil mesmo!

IFMA – Campus São João dos Patos abre 3 vagas para professor substituto

ifmaEstarão abertas entre 13 e 24 de abril de 2015 as inscrições do processo seletivo para a contratação de professores  do Instituto Federal do Maranhão Campus São João dos Patos, destinado ao provimento de vagas de contrato temporário de professor substituto integrante da carreira de magistério do ensino básico, técnico e tecnológico.

As oportunidades são para profissionais  nas áreas de arte, física e língua portuguesa/língua inglesa, em jornadas semanais de 40h e vencimento básico de R$ 2.814,01, podendo ser acrescidos do valor da retribuição por titulação não acumuláveis de especialização no valor de R$ 370,72, mestrado no valor de R$ 985,69 e doutorado no valor de R$ 2.329,40, além de vantagens, benefícios e adicionais previstos na legislação.

O processo seletivo é composta por aula com duração de 45 a 65 minutos, a prova didática terá regime eliminatório e, além dela, haverá prova de títulos classificatória. O valor da inscrição é de R$ 50,00.

Confira o edital completo

Por Assessoria de Comunicação do IFMA

OPOSIÇÃO X SITUAÇÃO : A VELHA POLÍTICA DO “QUANTO PIOR MELHOR”?

Quando os candidatos participam de uma eleição, dizem enfaticamente desejar o melhor para o povo, primando sobretudo, por seu desenvolvimento o que consequentemente reflete em uma melhor qualidade de vida para todos.

Quando estes estão no palanque, são amigos, são parceiros, se abraçam e juram serem leais e companheiros durante os quatro anos que virão pela frente, isso ocorre principalmente quando um prefeito está deixando a cadeira e procura eleger o seu sucessor, isso aconteceu com José Mário e Waldênio.

Durante toda a campanha eleitoral de 2012, José Mário assegurou ao povo patoense, que se Waldênio fosse eleito, este o acompanharia e o guiaria durante todo o seu mandato, garantindo várias vezes encima do palanque, que Waldênio era a melhor opção para a cidade, que ele teria total capacidade e competência para governar e administrar o município e que o mesmo ensinaria tudo ao então candidato, para que este realizasse um governo melhor inclusive que o seu.

Não se passou um ano, os dois já tinham rompido a aliança e todas aquelas lindas promessas de campanha foram para o lixo, palavras jogadas ao vento, tudo que foi dito ao povo, já não tinha mais valor algum e como num passe de mágica, o padrinho e professor, virou oposição e principal crítico ao governo do aluno e pupilo, mas, por quê? O que teria acontecido?

Essa resposta, vou ficar lhes devendo, afinal, não sabemos que acordo eles fizeram, que tipo de barganha foi acertada entre ambos e de repente não foi cumprida.

O que posso afirmar é que Waldênio passa por uma experiência que José Mário, não passou, que é o fato de ter oposição. José Mário não teve esse desprazer.

Nesta corrente oposicionista, de repente vereadores que eram inertes e de nada reclamavam, passaram a apontar vários problemas, apresentando pseudo-cobranças, que são inerentes não somente a esse governo, mas, questões que já vêm se arrastando a décadas, como o problema do lixo e saneamento básico.

Torna-se cômodo para oposição, posar de atuante, apresentando “propostas milagrosas” e proclamar que a situação da cidade está assim ou assado por culpa do atual gestor é simplesmente um pretexto para “ganhar o povo”, mas o que querem realmente é se aparecer como “salvadores da pátria” para num futuro estar no lugar dos que agora estão sendo criticados.

Querendo ou não, os dois primeiros anos do governo Waldênio (2013-2014), não é pior que os dois primeiros anos do governo José Mário (2005-2006), que não caiu nas graças do povo em seu primeiro mandato, se reelegendo com apenas 28 votos de vantagem para seu adversário, não tendo nenhuma obra significativa naquele período, além dos famosos regos, que foram alvos de piadas e críticas na campanha eleitoral de 2008.

Os anos e as eleições passam, mas alguns costumes infelizmente permanecem os mesmos. A política do quanto pior, melhor, por exemplo, ainda continua enraizada em muitos políticos.

Sejam os correligionários da chamada situação, quanto os da oposição, têm que se comportar de forma responsável e não meramente populista, sem querer em troca de seu apoio, empreguinhos e favores para seus familiares ou amigos. Parece aquela brincadeira de criança: “se você não me der isto ou aquilo, não brinco mais”. Políticos que durante a campanha sobem no mesmo palanque, mas, que depois não tem seus pedidos atendidos e não obtém vantagens pessoais, abandona o governo e passa a ser oposição. Isto é ser ético? E chega mesmo a brincar com a cara do povo, que acaba sendo o palhaço dentro do sistema podre, que insiste querer imperar pelas caras deslavadas daqueles que maquinam o mal, visando exclusivamente seus benefícios pessoais.

Confesso que há muito tempo eu também pensava assim. Quando alguém dizia que ia votar em “fulano” ou “beltrano” do partido X ou Y que não coincidia com a minha ideologia, e venciam as eleições sempre dizia: “bem feito, eu disse, agora eu quero é ver o circo pegar fogo – quanto pior, melhor”! Pensamento totalmente ignorante que já o abandonei faz tempo!

zé mário

Prefeitura de São João dos Patos assina contrato milionário em ritmo de festa

Só para a realizar eventos, a Prefeitura municipal de São João dos Patos assinou um único contrato milionário com uma empresa que vai fazer a festa e encher os bolsos. Serão desembolsados R$ 1.837.700,00 (um milhão, oitocentos e trinta e sete mil e setecentos reais) dos cofres públicos para pagar os serviços oferecidos pela Genilton L. de Carvalho & Cia Ltda – ME. O documento, assinado no dia 30 de dezembro de 2014, tem vigência até 31 de dezembro de 2015.

É isso mesmo, serão pagos estes valores astronômicos, para esta empresa “REALIZAR EVENTOS”, pelo “longo” período de um 01 (um) ano, enquanto isso, escolas necessitam de telhado, piso, pintura, bebedouro, banheiro para professores, etc, hospitais necessitam de aparelhamento, melhores estruturas, médicos especialistas, etc, ruas necessitam de pavimentação, iluminação, limpeza, etc.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DOS PATOS – MA

EXTRATO DE CONTRATO. EXTRATO DE CONTRATO Nº 69/ 2014: PREGÃO (PRESENCIAL) Nº 52/2014. CONTRATANTE : Prefeitura Municipal de São João dos Patos. CONTRATADA : Genilton L. de Carvalho & Cia Ltda – ME CNPJ: 14.943.402/0001-34. OBJETO: Serviços de Realização de Eventos. VALOR: R$ 1.837.700,00 (um milhão, oitocentos e trinta e sete mil e setecentos reais). DATA DO CONTRATO: 30 de dezembro de 2014. VIGÊNCIA : Ate 31 de dezembro de 2015. SIGNATÁRIOS : WALDENIO DA SILVA SOUZA, pela CONTRATANTE e Genilton L. de Carvalho & Cia Ltda – ME CNPJ: 14.943.402/0001-34, pela CONTRATADA , São João dos Patos – MA, 30 de dezembro de 2014.

diário

Flávio Dino: Deixar a estrada da exclusão social

A fome é a negação mais cruel dos direitos fundamentais de qualquer ser humano. É a negação da condição básica para o desenvolvimento do homem que, sem ter o que comer, não consegue trilhar os caminhos que pedem os sonhos que tem para si e para a sua família. É a negação primeira do que a filósofa Hannah Arendt chamou do “direito a ter direitos”.

Flávio Dino é governador do Maranhão

Sem nada para comer, como ter acesso à educação, à cultura, ao trabalho ou à sua autodeterminação? Infelizmente, a negação do “direito a ter direitos” ainda é muito viva em nossa realidade. Lembro que cerca de 25% dos maranhenses ainda vivem na extrema pobreza, o que corresponde a cerca de 1,5 milhão de pessoas. Mas esses não são dados frios, e a reportagem “Estrada da Fome”, exibida na última segunda-feira (23) pela TV Record para todo o Brasil, mostrou que esse retrato cruel é verdadeiro, tem nome e sobrenome, tem rosto e lágrimas.

Esse legado de desumanidade e descaso foi herdado por nós, maranhenses, em decorrência de décadas de governos que deram as costas aos mais necessitados. Como explicar, por exemplo, que o Maranhão seja a 16ª economia do país, estado que possui água em abundância, terras boas e um povo com muita vontade de vencer, mas com as piores condições de vida do país? A explicação somente pode residir na histórica combinação entre utilização pessoal do patrimônio público, corrupção e injustiça social, caminhos pelos quais poucos se apropriaram dos bens de milhões de pessoas. As vozes do coronelismo maranhense, que hoje vivem enorme crise de abstinência com a perda de antigos privilégios e de ganhos ilícitos, calam-se diante da calamidade retratada por 1 hora na última segunda-feira em rede nacional.

Contudo, ao contrário do que eles sempre fizeram, estamos lutando para transformar esse inaceitável retrato. Creio que nenhuma pessoa deve ficar insensível diante desse quadro. Especialmente no que se refere ao papel do governante, deve ser o de buscar soluções urgentes, duradouras e eficazes para dar a essas pessoas o direito de voltar a sonhar.

Foi por este motivo que, logo no primeiro dia de governo, minutos após a nossa posse, instituímos o Plano de Ações Mais IDH. Ele começa pelas 30 cidades com menor Índice de Desenvolvimento Humano em nosso Estado e vai mostrar progressivamente que, sim, nós podemos mudar o cenário imposto por décadas de desmandos políticos e desrespeito com a população. Por intermédio do Plano Mais IDH, o governo do estado começou a levar mais direitos e mais dignidade a esses milhões de maranhenses outrora invisíveis, cujos futuros foram criminosamente roubados em tenebrosas transações. Agora, o orçamento público é aplicado com o único objetivo de servir a população, com enfoque especial àqueles que mais precisam da ação direta do estado.

Para que se tenha a dimensão deste programa, somente na primeira semana do Mutirão Mais IDH, foram realizados 18 mil atendimentos em 9 municípios. Nesse mutirão, encontramos milhares de pessoas que jamais tiveram acesso a qualquer serviço público, que jamais foram lembrados pelos governantes, a não ser em tempo de eleição. Até o fim do nosso governo, vamos levar a todas as regiões maranhenses provas concretas de que vale a pena lutar e ter esperança em dias melhores.

Apoio à produção, políticas sociais, ampliação de infraestrutura e combate à corrupção são os pilares que sustentam esse novo projeto de desenvolvimento no Maranhão. O destino dos milhões de maranhenses não é estar irrevogavelmente à margem do mundo dos direitos. É para colocá-los na rota do crescimento e dar-lhes condições de se fortalecer, educar e prosperar que conduzimos as ações governamentais, em que hoje há o DNA da indignação transformadora.

*Flávio Dino, governador do Maranhão

Vocês já viram o chamado “asfalto sonrisal” em São João dos Patos?

Basta iniciarem as chuvas que eles aparecem, em várias ruas e avenidas de São João dos Patos, ou melhor, desaparecem, o asfalto sonrisal, aplicado, com enormes gastos e  de péssima qualidade. Não aguenta um chuvisco e já dissolve.

Poderíamos citar várias partes da cidade com esse problema, como a Rua Jarbas Passarinho, Rua Marechal Hermes da Fonseca, próximo a Casa da Justiça, Promotoria e Estádio Municipal, Rua Pedro II, entre outras, essa ruas encontram-se em péssimo estado de conservação, oferecendo riscos a motoristas e pedestres.

No bairro Santiago, o asfalto relativamente novo, também já se dissolve de forma vergonhosa e já passa por reparos, gerando gastos e desperdício de dinheiro público em obras que deveriam trazer mais conforto e mais acessibilidade a população, incluindo ingresso a instituições importantes como a Unidade de Pronto Atendimento – UPA e Instituto Federal do Maranhão – IFMA.

As famosas obras de asfaltamento conhecidas como “asfalto sonrisal” não suportam precipitações e facilmente  preparam “armadilhas” para quem transita com seus veículos no local. Nas Rua Marechal Hermes da Fonseca e Jarbas Passarinho,  os buracos tornam-se uma verdadeiras  crateras, e agora com o local  coberto pelas chuvas quem tentar atravessar, entra no prejuízo, seja moto, bicicleta, carro pequeno ou grande, que quebram por causa da profundidade que a cada dia aumenta. E os prejuízos, ficam por conta de quem?

Em algumas ruas a camada asfáltica praticamente desapareceu, dando lugar as pedras originais, sendo obrigatório muitas vezes, obras de tapa buraco, ou a restituição do asfalto e o contribuinte pagará de novo pela mesma obra, que, para variar, muitas vezes são feitas às pressas, no calor da eleição, sem a qualidade adequada num serviço que deve durar 20 ou 30 anos e não apenas quatro.

Se a obra for mal feita ou não, uma coisa é certa: caberá ao patoense pagar a conta. Como sempre.

  

Facebook

Get the Facebook Likebox Slider Pro for WordPress