dez 01

Edital de Convocação de Servidores Públicos do Município para Assembleia Geral

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLEIA GERAL DE FUNDAÇÃO

A Comissão Pró-fundação do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de São João dos Patos, convoca todos os membros da categoria os servidores públicos municipais do Município de São João dos Patos para ASSEMBLEIA GERAL, a ser realizada às 19:00 horas, do dia 12 de dezembro de 2017 no Colégio Patoense “Joana da Rocha Santos”, que irá tratar da seguinte ordem do dia:

1) Aprovação da fundação do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais do Município de São João dos Patos;

2) Aprovação do Estatuto Social;

3) Eleição e Posse da Diretoria e Conselho Fiscal.

São João dos Patos, 09 de novembro de 2017.

Comissão Pró-Fundação

*Transcrito conforme o original

 

 

 

 

nov 29

Ouvidoria do M.P. Flagra Alunos Transportados em Paus de Arara em São João dos Patos

A imagem pode conter: carro, árvore e atividades ao ar livre

A Prefeitura de São João dos Patos, através do processo referente ao Pregão Presencial nº 25/2017, realizou licitação para contratação de empresa para realizar o transporte dos alunos da zona rural, do  município. De acordo com o edital de licitação, a prefeitura contrataria empresa para transportar os alunos em veículos tipo van, micro-ônibus e ônibus.

A empresa R. DE OLIVIERA DIAS – ME, única empresa que compareceu ao pregão presencial, foi a vencedora do processo, com o contrato de nº 50/2017, no valor de R$ 786.533,12 (setecentos e oitenta e seis mil quinhentos e trinta reais e doze centavos).

Como está explícito na licitação a Prefeitura contratou a empresa para o fornecimento de transporte em veículos tipo van, micro-ônibus e ônibus e, de acordo com o flagrante da ouvidoria do Ministério Público, o serviço contratado esta sendo disponibilizado de forma diferente da contratada, tudo em concordância com a Gestora Municipal.

Os alunos estão sendo transportados em veículos tipo “PAU DE ARARA”, com a conivência da Prefeitura e da secretária de Educação do município.

O serviço de transporte escolar é um direito assegurado pela Constituição Federal, como também pelo Estatuto da Criança e do Adolescente e pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Dessa forma, Estado e Municípios estão obrigados a oferecê-lo gratuitamente para crianças e adolescentes que não tenham escola perto de casa.

Contudo, além de ser gratuito, o serviço de transporte escolar também deve ter uma qualidade aceitável a fim de resguardar a segurança de crianças e adolescentes. Para tanto, o Código de Trânsito brasileiro reserva capítulo próprio para tratar dos veículos utilizados na condução dos alunos, o qual estabelece requisitos mínimos. In verbis:

Art. 136. Os veículos especialmente destinados à condução coletiva de escolares somente poderão circular nas vias com autorização emitida pelo órgão ou entidade executivos de trânsito dos Estados e do Distrito Federal, exigindo-se, para tanto:

I – registro como veículo de passageiros;

II – inspeção semestral para verificação dos equipamentos obrigatórios e de segurança;

(…)

IV – equipamento registrador instantâneo inalterável de velocidade e tempo; (…)

VI – cintos de segurança em número igual à lotação;

Destaca-se a obrigatoriedade de o veículo ser de passageiro (art. 136, inciso I), sendo proibido, então caminhão ou caminhonetes, como se constata em São João dos Patos.

As autoridades municipais utilizam das mais esfarrapadas desculpas para ainda manterem os “pau de arara” no transporte escolar: estradas ruins, chuvas, os veículos não são capazes de causar perigo à vida, saúde ou integridade dos estudantes e pasmem, já houve a afirmação que os motoristas precisam de uma renda extra e para isso realizam o transporte de mercadorias, nos feriados e fim de semana, ou seja, os governantes aceitam os “pau de arara” e colocam os interesses particulares acima do público.

Entretanto, essas mesmas autoridades esquecem dos vários acidentes, inclusive fatais, envolvendo esses tipos de veículos, ocorridos pela falta dos requisitos mínimos, como o cinto de segurança.

Portanto, é indubitável que a utilização dos “pau de arara” atenta contra a vida, a saúde e a integridade física dos estudantes, pela falta de segurança. Logo, não se pode compactuar, passivamente, com a prestação irregular do transporte escolar no Município de São João dos Patos.

Assim o vereador Fernandinho acertou ao denunciar o caso ao Ministério Público e trazer o assunto a tona para o debate da sociedade, sabemos que esse erro não é só da gestão atual, que já se arrasta por vários governos, mas, se não iniciarmos essa mudança algum dia, a realidade nunca será alterada, ou talvez só altere após uma tragédia e isso não queremos, afinal, são alunos, que buscam uma melhor condição de vida através dos estudos, buscam uma oportunidade que muitos de seus pais não tiveram, acesso a educação.

A imagem pode conter: atividades ao ar livre

 

nov 28

Segundo FGV, gestão Flávio Dino trouxe Transparência e Informação ao Maranhão

Um estudo feito pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) mostra que, entre os Estados brasileiros, o Maranhão é exceção na transparência com as informações públicas. Segundo o estudo, a atual gestão agiu para dar transparência às informações. Entre as medidas citadas, está a criação da Secretaria de Transparência e Controle, em 2015.

O estudo foi feito pelos professores Gregory Michener, Evelyn Contreras e Irene Niskier. O título do trabalho é “Avaliando os Cinco Anos da Lei de Acesso no Brasil” e foi apresentado durante seminário da FGV neste ano.

De acordo com o estudo, os Estados ainda precisam avançar na transparência da gestão. “No entanto, alguns líderes pensam diferente. Tomemos como exemplo o caso do atual governador do Maranhão, Flávio Dino”, escrevem os autores.

“Ao assumir o cargo em janeiro de 2015, Dino criou a Secretaria de Transparência e Controle, aprovou a regulamentação da lei federal de AI [Acesso à Informação] e inaugurou um portal da transparência”, acrescenta o texto.

Resultados

Os professores ressaltam que, com as medidas, o Maranhão passou de 2,2 pontos para a nota máxima na Escala Brasil Transparente da Controladoria Geral da União.

“O Maranhão também avançou no número de pedidos de acesso à informação recebidos: foram 339 em 2015 e 1.159 em 2016 – mais do que o triplo – grande parte em função dos esforços da administração de Flávio Dino em promover o acesso à informação”, afirma o estudo.

Para os pesquisadores, a atual gestão, ao assumir em 2015, demonstrou interesse em “’abrir as portas e deixar a luz entrar’ em uma das mais retrógradas administrações estaduais do Brasil e dar visibilidade ao que o governo do Estado havia se tornado”.

O estudo pode ser visto aqui: http://transparencia.ebape.fgv.br/working-paper-opacidade-transparencia-avaliando-5-anos-lei-de-acesso-informacao-brasileira

nov 28

Gastão Vieira abandona grupo Sarney e declara apoio a Flávio Dino

O ex-ministro do Turismo e presidente do PROS, Gastão Vieira, declarou apoio público ao governo Flávio Dino durante agenda na cidade de Brejo, neste final de semana.

Aliado histórico da família Sarney, ele abandona de vez o grupo.

Em discurso acalorado a favor de Dino, Gastão ressaltou que tomou a “decisão certa” ao estar apoiando a continuidade, para que o governador faça aquilo que todo o Maranhão espera dele.

“E é por isso que estou aqui hoje. Porque eu acredito na sua capacidade de trabalho, mas acredito muito mais no seu amor pelo Maranhão”, ressaltou Gastão Vieira.

nov 27

Governo do Estado através do Mais Asfalto Pavimenta Ruas de São João dos Patos e Sucupira do Riachão

Mais um sábado movimentado de entregas e realizações marcou a agenda do Governo do Maranhão neste último sábado (25). Além do governador Flávio Dino, que esteve em Brejo, Santana do Maranhão e Santa Inês, secretários de estado estiveram em oito municípios fazendo entregas simultâneas de obras de pavimentação.

Foram contempladas as cidades de Matões, São Francisco do Maranhão, Riachão, Sucupira do Riachão, São João dos Patos, Vitória do Mearim, Balsas e Fortaleza dos Nogueiras. Além de garantir mobilidade, com a pavimentação das vias públicas e a melhoria de infraestrutura, o investimento de mais de R$ 20 milhões garantirá, nesta etapa, dignidade a milhares de maranhenses. “No Brasil inteiro, todos os dias se fala em crise, os estados estão paralisados, não há obras, não há investimentos, mas o Maranhão vive um momento em que existem obras sendo feitas em todas as regiões”, comentou o secretário de Estado de Comunicação e Assuntos Políticos, Márcio Jerry.

A imagem pode conter: atividades ao ar livre e natureza

O secretário Márcio Jerry esteve em Sucupira do Riachão, onde a primeira etapa do Mais Asfalto levou a pavimentação para 4km de vias e em São João dos Patos, onde, já na segunda etapa, o programa beneficiou vias como a que leva à Upa e ao IFMA do município.

O Tenente-Coronel Emerson, comandante do 6° Batalhão Independente da Polícia Militar em São João dos Patos falou da importância do asfalto para a segurança. “O asfalto dá maior visibilidade para o trabalho da Polícia Militar, permitindo que se chegue em locais onde antes era de difícil acesso; as viaturas conseguem ter maior mobilidade principalmente os carros, o que leva a Polícia para mais próximo da sociedade”.

A imagem pode conter: céu, atividades ao ar livre e natureza

Mais Asfalto

As primeiras áreas recuperadas e asfaltadas foram escolhidas pela necessidade de reestruturação emergencial das vias, mas a meta do governo é sanar e garantir melhores condições de mobilidade e trafegabilidade em todas as 217 cidades maranhenses.

O programa, além de oferecer tráfego seguro, reflete diretamente no desenvolvimento econômico das regiões. “Com mais essa realização do governo, as pessoas deixam de ser incomodadas com a lama e a poeira, passam a ter acesso aos serviços públicos como ronda policial, ambulância e saúde, condições de mobilidade, além de se levar um desenvolvimento econômico”, afirma o secretário de Estado da Infraestrutura, Clayton Noleto.

A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé e área interna

Orleany Santana, Márcio Jerry e Sheron Virgínia.

 

nov 21

Janot chama novo diretor-geral da PF de “pau mandado” do governo

O ex-procurador-geral Rodrigo Janot reagiu na noite desta segunda-feira às críticas do novo diretor-geral da PF, Fernando Segovia, em relação às delações dos dirigentes da JBS, que resultaram em duas denúncias contra o presidente Michel Temer. Nesta segunda-feira, Segovia disse que a investigação foi encerrada antes do tempo e que mala apreendida com o ex-assessor do presidente Rodrigo Rocha Loures não serviria como prova. Segundo Janot, Segovia desconhece as leis e menospreza o trabalho da própria Polícia Federal.

– Ele é mesmo um pau mandado – disse Janot.

Janot argumenta que, como Rocha Loures estava preso, as investigações tiveram que seguir os prazos estabelecidos em lei. Ele lembrou ainda que a PF teve atuação destaca no caso desde o início das investigações.

Durante entrevista após a sua posse, Segóvia levantou suspeitas sobre a conclusão das investigações da JBS por parte da Procuradoria Geral da República (PGR), que resultou nas duas denúncias contra Temer. Segóvia disse que, se dependesse da PF, a apuração não teria terminado em prazo tão curto.

— Talvez uma única mala não desse toda a materialidade para apontar se houve ou não crime, e quais são os partícipes. Isso poderia ter sido respondido se a investigação tivesse mais tempo. E quem colocou esse deadline foi o Ministério Público Federal. E também seria esclarecido por que Joesley (Batista, dono da JBS) sabia quando iria acontecer (a divulgação da delação) para ganhar milhões no mercado de capitais — disse Segóvia. (O Globo)

nov 21

As contradições da “Operação Pegadores”

A ação da Polícia Federal iniciada em 16 de novembro, apresenta várias contradições e coloca em xeque a ação da instituição que sofreu mudanças em sua cúpula em Brasília, tendo sido escalado a pedido de Sarney um amigo antigo da família, Fernando Segóvia, fazendo com que se levante nos bastidores um forte debate sobre um aparelhamento da instituição para combater o governador  Flávio Dino.

O fato é que quem leu os autos e as declarações do Delegado durante suas entrevistas, começa a se questionar sobre as provas apresentadas, aliás, não apresentadas. Chama atenção uma série de inconsistências na investigação da Polícia Federal (uma das instituições mais sérias e de maior credibilidade no país), inclusive quanto aos alegados 427 “fantasmas” que teriam sido encontrados e que justificariam a prisão de alguns suspeitos.

Se formos analisar a prisão dos suspeitos é de fato estranha já que Ricardo Murad, que montou todo o sistema que originou a Operação Sermão dos Peixes, nunca tenha enfrentado nenhum processo, enquanto peixes miúdos são presos ou acusados por delitos ainda não adequadamente provados, Ricardo Murad sequer foi citado nesta quinta fase da operação, o que é bizarro já que o próprio relatório da Polícia Federal afirma textualmente que o “esquema ilícito de contratação já vinha ocorrendo da SES/MA desde o início da gestão de Ricardo Murad” e mostra o uso de dois pesos e duas medidas utilizadas em uma mesma operação, mostra ainda que há um direcionamento na operação, há um alvo específico.

Informações da PF sobre sorveteria são falsas.

A saúde do Maranhão não teve sorveteria como prestadora de serviços hospitalares, pelo menos, a partir de janeiro de 2015, a razão é simples, desde 04 de outubro de 2013 a empresa CCO  Indústria de Sorvetes LTDA, criada em 2010, deixou de existir.

Documentos do contrato social de constituição da empresa registrados na Junta Comercial do Maranhão (Jucema), desmentem a versão dada pelo delegado da Polícia Federal, Wedson Cajé Lopes, que comanda a operação “Pegadores”.

Segundo a investigação da PF, a empresa CCO Indústria de Sorvetes Ltda., teria prestado serviços à Secretaria de Estado da Saúde até fevereiro de 2015.

Os documentos registrados na Jucema mostram que a Polícia Federal errou ao afirmar que uma sorveteria prestou serviços hospitalares para a Secretaria de Saúde do Maranhão.

“Supersalário” de enfermeira não existiu.

Mais uma informação da operação “Pegadores” da Polícia Federal não parou em pé por 48 horas. Diz respeito ao suposto “supersalário” da enfermeira Keilane Silva Carvalho.
O contracheque no valor de R$ 13.189,07, que teria motivado a operação, segundo o delgado Wedson Cajé Lopes, tratava-se de pagamento retroativo da enfermeira que atuava na Coordenação Geral de Enfermagem, contratada pelo Instituto Bem Viver, em 2015.
Naquele ano, cópia do contracheque foi publicado em blogs. De pronto, a enfermeira Keilane Silva emitiu nota com documentos do Instituto Bem Viver, que comprovaram ser o contracheque referente ao pagamento do mês de janeiro de 2015 junto com o pagamento do mês de março do mesmo ano.
À época, o Instituto Bem Viver emitiu nota informando que a então servidora recebia R$ 5.085,60, sendo R$ 3.328,00 na CTPS (Carteira de Trabalho e Previdência Social), havendo R$ 1.600,00 de gratificação referente à Coordenação Geral de Enfermagem e o adicional de insalubridade no valor de R$ 157,60.
Após a operação da Polícia Federal, Keilane Silva voltou a esclarecer os fatos. “Já na época eu esclareci o fato e a Bem Viver também emitiu documento atestando que se tratava de pagamentos de salários atrasados, pagamento absolutamente legal”.
Justiça Federal ainda não entregou lista de “fantasmas” solicitada pelo Governo.

A Procuradoria Geral do Estado até agora não teve acesso à suposta lista com os nomes de 427 pessoas que supostamente seriam funcionários fantasmas da Secretaria de Saúde. Ontem o Procurador Geral do Estado, Rodrigo Maia, protocolou novo ofício reiterando a solicitação à Justiça Federal. A informação é considerada essencial para o esclarecimento de parte importante da acusação contida na operação Pegadores.

A PGE também requereu novamente cópia do “contrato ou instrumento jurídico” celebrado entre a Secretaria de Saúde e a empresa O.C.R. Gestão e Serviços Médicos LTDA. Em entrevistas autoridades policiais fizeram referência a tal contrato, mas a Secretaria prontamente contestou. É outra informação importante para o esclarecimento das acusações.

Decisão da Justiça Federal indica que não há fantasmas na Secretaria de Saúde

A decisão do Tribunal  Regional Federal (TRF) da 1ª Região, que concedeu Habeas Corpus em favor do médico Péricles

 

 Filho, afasta a tese de funcionários fantasmas na Secretaria de Estado da Saúde, levantada pela Polícia Federal na operação “Pegadores”.

“A inexistência de vínculo formal – comprovado pela ausência de GFIP – não é critério absoluto para confirmar a existência ou não de funcionário ou do serviço prestado”, afirma trecho da decisão do TRF-1.

Ao decidir pela soltura do médico Péricles Filho, que prestava serviços de saúde ao Estado durante o governo Roseana Sarney, a Justiça Federal diz que a informação prestada pela Polícia Federal acerca da existência de 427 “funcionários fantasmas” precisa ser melhor analisada.

Fontes:

blogs: O Informante, John Cutrim, Garrone e Pagina 2.

 

nov 20

A Fábula da Arara que virou Papagaio

Resultado de imagem para arara e papagaioA vida das aves na floresta estava ficando muito difícil por causa dos desmandos, das leis arbitrárias e dos impostos criados pelos tucanos e pelas cacatuas, os pássaros não podiam mais cantar, voar livremente, beber no rio. Debaixo dos pequizeiros, das castanheiras, dos jatobás e de muitas árvores frutíferas, onde era costume  os animais se reunirem na boca da noite para um jantar mais farto, já não se podia mais frequentar, pois os papagaios gritavam e denunciavam os infelizes que ali degustavam as frutinhas.

Em meio a tantas injustiças uma arara destemida decidiu abrir o bico e denunciar as arbitrariedades que açoitavam os pássaros daquela floresta, começou em uma arvore modesta, tendo algumas rolinhas, sabiás,  xexéus e periquitos como ouvintes. A arara falava dos direitos atribuídos aos pássaros, direitos estes dados por Deus, pela natureza, proclamava que as arvores não tinham donos, que as frutas eram de todos, que as asas eram presentes,  bênçãos que somente eles tinham na terra e não usá-las era como tira-lhes a alma, seria uma gaiola sem grades, as declarações da arara chamavam a atenção de um número cada vez maior de pássaros.

A pequena árvore já não era mais suficiente para as palestras da arara, a multidão de aves que se juntava, exigia árvores mais altas e galhos mais robustos e em pouco tempo toda floresta se reunia ao meio dia para ouvir a arara destemida.

A fama da arara logo chegou aos ouvidos dos tucanos, era preciso tomar uma providência, afinal, os tucanos e as cacatuas  já tinham uma enorme dificuldade em lidar com um galo vermelho, que governava uma pequena parte da floresta, o local era verde repleto de frutas, próximo a duas lagoas, com uma orla plana, compondo um local de rara beleza, repleto de palmeiras onde cantavam os sabiás,  de onde os tucanos e as cacatuas após governarem por décadas e espalhado a fome e a miséria, haviam sido expulsos  e proibidos de frequentar,  mas, nunca se conformaram e tentavam de todas as formas retomar a área.

Um dos tucanos então teve uma ideia, reuniu-se com as cacatuas e compartilhou com os aliados seu plano: “Vamos convidar a arara a fazer parte da nossa cúpula, daremos a ela o comando de algumas árvores próximas as duas lagoas e ela será nossa representante naquela localidade”…. “Hummm excelente ideia e este ainda poderá em suas palestras deferir ataques ao Galo Vermelho, assim pegaremos dois pássaros com uma só arapuca”, disse a cacatua mestre.

E assim fizeram os tucanos e cacatuas, o convite foi realizado e para surpresa de muitos, foi aceito pela arara, suas palestras continuaram e a arara agora de terno e gravata, já não mais deflagrava ataques a elite da floresta, já não mais apontava os erros dos tucanos e das cacatuas, seu alvo agora era apenas o galo vermelho, suas palestras já não mais apontava os cortes nas asas dos pássaros, a exploração do João de Barro, a aglomeração dos ninhos,  oriundas dos desmandos dos tucanos e das cacatuas, as frases já se tornara repetitivas e os pássaros diziam, que a arara virou tucano, virou papagaio.

 

nov 16

Polícia Federal diz que desvios na secretaria de Saúde ocorreram a partir de 2015

 

Em coletiva realizada na sede da Polícia Federal em São Luís, delegados que participam da Operação Pegadores, que apura indícios de desvios de recursos públicos federais por meio de fraudes na contratação e pagamento de pessoal, em Contratos de Gestão e Termos de Parceria, firmados pelo Governo do Maranhão, explicaram que as investigações de desvios de recursos na secretaria de Saúde começaram no ano de 2015, abrangendo a atual gestão estadual. Nessa fase da Operação Sermão aos Peixes a PF informou que não é investigado o ex-secretário Ricardo Murad e nem o governo Roseana Sarney.

Entre os 17 envolvidos que tiveram mandados de prisão temporária está a ex-subsecretaria de Saúde, Rosângela Curado. De acordo com a Polícia Federal, foi montado um esquema de desvio de verbas e fraudes na contratação e pagamento de pessoal onde havia indicação política para os cargos, ocupados por pessoas fantasmas que não prestavam serviços. O esquema fraudulento ocorreu com novas empresas contratadas pelo atual governo. O atual secretário de estado da Saúde é o advogado Carlos Lula.

Resultado de imagem para rosangela curado

A PF apurou a existência de cerca de 400 pessoas, que teriam sido incluídas indevidamente nas folhas de pagamentos dos hospitais estaduais, sem que prestassem qualquer tipo de serviços às unidades hospitalares. Os beneficiários do esquema seriam familiares e pessoas próximas a gestores públicos e de diretores das organizações sociais.

O montante dos recursos públicos federais desviados por meio de tais fraudes supera a quantia de R$ 18 milhões.

Foi detectado, também, que uma empresa registrada como sendo uma sorveteria passou por um processo de transformação jurídica e se tornou, da noite para o dia, uma empresa especializada na gestão de serviços médicos. Essa empresa foi utilizada para a emissão de notas fiscais frias, que teriam permitido o desvio de mais de R$ 1 milhão.

LISTA COM OS NOMES DOS ENVOLVIDOS – PEDIDOS DE PRISÃO TEMPORÁRIA

Antônio José Matos Nogueira

Chisleane Gomes Marques

Mariano de Castro Silva

Luiz Marques Barbosa Júnior

Rosangela Aparecida da Silba Barros (Rosângela Curado)

Antonio Augusto Silva Aragão

Benedito Silva Carvalho

Flávia Geórgia Borges Gomes

Ideide Lopes de Azevedo Silva

Marcus Eduardo Alves Batista

Miguel Marconi Duailibe Gomes

Osias de Oliveira Santos Filho

Paulo Guilherme Silva Curado

Péricles Silva Filho

Waldeney Francisco Saraiva

Warlei Alves do Nascimento

Karina Mônica Braga Aguiar

NOTA DO GOVERNO DO MARANHÃO

Governo do Maranhão: Secretaria de Estado da Saúde

Sobre a nova fase de investigação da Polícia Federal, deflagrada nesta quinta-feira (16), no âmbito da Secretaria de Estado da Saúde (SES), o Governo do Maranhão declara que:

1. Os fatos têm origem no modelo anterior de prestação de serviços de saúde, todo baseado na contratação de entidades privadas, com natureza jurídica de Organizações Sociais, vigente desde governos passados.

2. Desde o início da atual gestão, tem sido adotadas medidas corretivas em relação a esse modelo. Citamos:
a) instalação da Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (EMSERH), ente público que atualmente gerencia o maior número de unidades de saúde, reduzindo a participação de Organizações Sociais.
b) determinação e realização de processos seletivos públicos para contratação de empregados por parte das Organizações Sociais.
c) aprovação de lei com quadro efetivo da EMSERH, visando à realização de concurso público.
d) organização de quadro de auditores em Saúde, com processo seletivo público em andamento, visando aprimorar controles preventivos.

3. Desconhecemos a existência de pessoas contratadas por Organizações Sociais que não trabalhavam em hospitais e somos totalmente contrários a essa prática, caso realmente existente.

4. Todos os demais fatos, supostamente ocorridos no âmbito das entidades privadas classificadas como Organizações Sociais, e que agora chegam ao nosso conhecimento, serão apurados administrativamente com medidas judiciais e extra judiciais cabíveis aos que deram prejuízo ao erário.

5. A SES não contratou empresa médica que teria sido sorveteria. Tal contratação, se existente, ocorreu no âmbito de entidade privada.

6. Apenas um servidor, citado no processo, está atualmente no quadro da Secretaria e será exonerado imediatamente. Todos os demais já haviam sido exonerados.

7. A atual gestão da Secretaria de Estado da Saúde está totalmente à disposição para ajudar no total esclarecimento dos fatos.

nov 16

Dossiê escancara relação do novo diretor da PF com Sarney e Lobão, diz Veja

Resultado de imagem para Fernando Segóvia e Roseana

Um dossiê que circula em Brasília mostra as relações íntimas que o novo diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, ex-superintendente no Maranhão, tem com a família Sarney e com Edison Lobão.

De acordo com o documento, no período em que esteve no cargo no Maranhão, Segóvia morou na casa de um empreiteiro ligado a Lobão.

Há relatos também da proximidade de Segóvia com o clã Sarney. O delegado e sua esposa iam a festas com os Sarney, tendo passado inclusive um carnaval com Roseana.

O temor na PF é que Segóvia venha com a missão de acabar com a Lava Jato, dada a sua estreita ligação com políticos envolvidos na operação.
Para reforçar esse temor, é provável que ele coloque em cargos-chave os delegados Reinaldo Cézar, ex-assessor de Sarney, e Sandro Avelar, ex-secretário do ex-governador do DF Agnelo Queiroz (PT).

Resultado de imagem para Fernando Segóvia e Roseana

 

Facebook

Get the Facebook Likebox Slider Pro for WordPress